O Poeta do Deserto

Em meio ao arder árido agradeço aos espertos pelo incentivar singelo,sou O Poeta do Deserto!

Áudios

Parece que Foi Ontem
Data: 17/12/2012
Créditos:
Texto:Parece que Foi Ontem-Henrique Mendes
Voz: O Poeta do Deserto
Trilha Sonora:Maybe-Yiruma
Edição e produções caseiras
Agradecimentos:Agradeço ao poeta português a lembrança de minha pessoa para declamar tão magnífico texto de sua autoria,obrigado Henrique Mendes!
Copyright © 2012. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Parece que Foi Ontem

Parece que foi ontem,
mas foi há muito tempo.

Uma manhã apanhou-me desprevenido
e lançou-me a sombra grata de uma árvore gigante
sobre umas folhas em branco, à minha frente,
à mesa de um café.
Depois disso, escrevi-me em manhãs,
todas quantas pude.
Escrevi-me em passos hesitantes
pelas alvuras exigentes dos papéis,
que sempre me iam encontrando como sou:
- de olhos quase vagos e quase atentos,
sentindo em redor, como se olhasse.
( Um adulador de detalhes, na opinião de alguém. )

Escrevi-me dispersamente,
espalhando-me pelas histórias
que tantas outras mesas me contaram,
se sem saber que procurava repetir
a força avassaladora daquela primeira vez,
quando assim me vi, face á sede inesgotável
do papel em branco.

Escrevi-me em instantâneos dos outros, que fiz meus.
Foram segredinhos, surpresas e rompantes,
talvez partículas de passados
a que dei formatos e sons,
presença numa qualquer história
- que existiria mesmo sem mim.

Escrevi-me em rituais estereotipados, sofridos,
escolhas necessárias, tudo em nome de algo
que um dos meus futuros possíveis
pudesse eventualmente exigir um dia, quem sabe...

Mas o futuro tardava a chegar,
e era incerto que o identificasse
como sendo o meu...

Então, parece que foi ontem,
mas já foi há muito tempo,
que me escrevi em passos lentos
pelas muralhas da cidade,
e em todas as fachadas brancas
das casinhas sorrindo para o sol;
E em cada rua calçada de pedras antigas
ecoando vozes de crianças;
E em todos os cais,
e no ruído quente de todos os bares,
e caminhando nas noites
que os outros evitaram receosos…

Em todas me escrevi, com um olhar de adeus
onde havia uma lágrima
que humedeceu outras terras,
muito além do solo onde cravei os pés.

Escrevi-me em cânticos inúteis de louvor
a valores desnecessários,
e em registos de memórias merecendo serem vagas.

Escrevi-me em buscas que jamais terminarei,
e em sonhos que jamais saberei parar de sonhar…

Parece que foi ontem,
e nem tem sido há tanto tempo...

Escrevi-me um pouco por toda a parte.
Encontrei-me um pouco por todo o lado.
Li-me entre pilares de pedra antiga,
erguendo-se de águas infinitas até ao horizonte,
que marulharam versos meus
repletos de sal e de destino…

E de lugares por saber...

Autoria do poeta português Henrique Mendes em inserção especial em meu site
Enviado por O Poeta do Deserto (Felipe Padilha de Freitas) em 17/12/2012

Copyright © 2012. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.



Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras